quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Mais um ano começado e que nós esperamos que seja sempre igual ao anterior ou melhor – nunca pior. E de repente o mundo desaba. Estas coisas normalmente só acontecem aos outros. Começamos por sentir uma leve dor na perna – depois a mesma acentua-se e passa a insuportável – claro que no meu caso demorou dois dias até me decidir a ir ao médico. Devia ser um mau jeito e com o peso a mais o músculo estaria dorido. Horas mais tarde as palavras do médico pareciam facas a cortar-me por dentro e as lágrimas não davam para suster muito mais tempo. Trombose profunda de uma veia na perna direita. Falar em trombose já assusta porque isto acontece sempre aos outros. Mas nãos foi a doença em si que me assustou – o facto de o Cirurgião me ter dado uma tareia psicológica profunda naquele preciso momento fez-me cair por terra e demorou dias para me levantar. Disse-me que teria de repensar a minha vida se não queria ser um vegetal e em vez de tomar conta dos sogros e dos pais serem eles a tomar conta de mim. Disse-me que isto na perna era um abre olhos mas que se desse no cérebro ou num pulmão podia ficar vegetal ou morrer logo. Tudo isto e muito mais abalaram naquele preciso momento o meu mundo. Mas ele sabia o que fazia. Com as dificuldades aprendemos e neste momento dou injecções a mim própria. Eu, quem me conhece sabe o que me está a custar estar quase todo o dia deitada e de repouso quase absoluto. Mas, por uma vida melhor e com uma médica de família nova… juro, ainda não sei onde foram desencantar aquela mulher – não é hábito ter sorrisos numa consulta de médico de família muito menos simpatia e interesse pelo doente. Como ia a dizer, por uma ida melhor e um futuro digno aqui estou eu quase 24 horas deitada, dependente do marido e da sogra chorando quando oiço uma música e não me posso mexer. Ainda por cima no Carnaval. Mas temos de pensar que Carnavais há muitos e vida não. Por isso vou lutar para ter muitos Carnavais felizes e não dependentes. Aqui faço o meu tributo ao meu Marido que tem sido incansável e um grande amigo capaz de aturar todas as lágrimas e tudo mais. O meu tributo também à minha sogra que tem sido, como sempre uma segunda mãe e está sempre presente com a força necessária para levantar todos. Um beijo especial à mana Cláudia que só mostrou o que todos já sabíamos – está sempre ali mesmo que não se fale. Melhores dias virão. Agora vou repousar para não abusar. Beijos a todos.

2 comentários:

Nuno Medon disse...

olá! As melhoras para ti. O importante é que fiques bem. E depois, podes fazer uma festa, quando estiveres boa, e convidar a tua família para petiscar alguma coisa. beijos e um abraço. força!

Betty disse...

Espero que já esteja tudo mt melhor... ainda não tinha lido este post, fiquei preocupada.

Beijinho**